Na semana passada eu gravei um vídeo falando sobre os ciclos da vida.

Você pode assistir ele aqui:

Então, nesse texto vou me aprofundar um pouco mais nesse assunto.

Os ciclos da vida

Como já disse em um texto anterior, precisamos encontrar onde nosso Waze está.

Isto quer dizer que a primeira coisa que qualquer aparelho GPS que usarmos faz para indicar o melhor caminho é saber onde estamos.

Não conseguimos encontrar nenhum caminho para nenhum destino sem antes sabermos onde estamos.

Tive uma “ficha” interessante que “caiu” esses dias, enquanto o vento soprava fortemente algumas árvores que vejo pela janela da sala onde trabalho.

Como sempre digo: FICHASKAEN.

Particularmente, como talvez você saiba, muitas fichaskaen para mim quando contemplo árvores, e pode ser que você queira saber mais sobre meu livro “Ser Árvore“.

De qualquer maneira, a “ficha” de hoje não está no livro.

Ao ver a árvore passando pelo vendaval, sob o céu bem cinza e a temperatura na casa dos 14 graus, enquanto aqui na França nos aproximamos do outono, tive a percepção que conto abaixo.

O outono é o momento quando abrimos mão das coisas.

É um momento em que o velho não tem mais espaço.

O velho é como as folhas, quanto mais ficarmos presos a ele sem abrir mão, sem permitir que simplesmente caia e siga o próprio caminho, mais vamos perder energia.

Vamos perder tanta energia vital ao alimentar esse passado que já não faz parte da nossa vida e iremos despender muito mais energia enquanto os ventos trazem novos desafios.

A árvore que eu contemplava estava em plena turbulência devido aos ventos.

O desafio de nos mantermos firmes enquanto as adversidades aparecem e começam a nos chacoalhar fica ainda mais complicado se não abrirmos mão daquilo que não mais nos serve.

Tudo tem seu momento, e o outono indica que é o momento de abrirmos mão daquilo que não nos serve mais para podermos continuar firmes.

Como você sabe, o inverno vem em seguida.

Ele representa o momento de ficarmos quietos em nosso canto, em nossa cama, sem arriscar, apenas aguardando.

Momento de reflexão, talvez uma crise.

Momento de nos mantermos conectados com nossas raízes e de nos nutrirmos da força que vem daqueles que vieram antes, com a certeza de que em breve o frio vai passar e o sol vai voltar a brilhar para nós.

É no momento de máxima escuridão que começa a ficar claro de novo.

Isto está também muito ligado às filosofias das Constelações Familiares de Bert Hellinger.

O pôr do sol nos lembra de que podemos recomeçar.Bert Hellinger

Depois de nos nutrirmos e aceitarmos o frio como ele é, a crise como ela é e entendermos que tudo é cíclico, começa a primavera.

A primavera é o momento de, depois de termos nutrido e recarregado nossas baterias com a força que vem de nossas raízes, retribuir e oferecer nosso melhor.

Chega a hora de trabalhar, de entregar, de retribuir, de fazer a nossa parte.

A primavera é o momento da oferta do nosso melhor.

A macieira não se esforça para entregar maças ao mundo, ela simples e naturalmente entrega sua essência, seu melhor, aos que estiverem dispostos e abertos para receber.

A primavera é o momento do máximo resultado com o mínimo esforço.

Ao oferecer, fazemos nossa parte no ciclo da vida e só o tempo sabe o que iremos receber em retorno ao que oferecemos naturalmente.

E o tempo indica que o verão está por vir.

O verão é o fogo, a diversão, a alegria, os dias longos para aproveitarmos ao máximo tudo que a vida pode nos oferecer de melhor.

Longos dias e longas noites para estarmos apaixonados pela vida e pelos outros.

O verão é o momento de simplesmente estarmos presentes em nós mesmos e em tudo aquilo que, genuinamente, nos faz feliz, e que faz a nossa criança interna ter mais liberdade para poder sair para brincar, comer mais um pouco, talvez outra sobremesa, outro sorvete e dizermos:

Mamãe, me deixa ficar mais um pouco aqui fora.

Essa compreensão está ligada ao Waze de nossa vida.

Em que momento você se encontra no ciclo infinito do universo?

Primavera: oferecer seu melhor.
Verão: divertir-se, descansar.
Outono: abrir mão.
Inverno: recolhimento.

Saber onde estamos pode ser tudo de que precisamos neste momento para estarmos atentos a nova fase que, com certeza, vai chegar à nossa vida.

E você, em qual fase está?