Deu Branco! E Agora?

O texto desta semana busca trazer algumas dicas para momentos decisivos de nossa vida.

Sabe aquele momento que geralmente indica o final de uma fase e o início de outra?

Estou falando de entrevistas de emprego, apresentações de TCC na faculdade, mestrado, doutorado, uma prova, exame para tirar a carteira de motorista, exame da OAB, uma apresentação na empresa, entrevista para tirar visto, cobrança de pênalti no jogo de futebol, quando o chefe ou a chefe chama você na sala, etc.

Momentos chave de nossa vida que podem trazer um novo momento e porque não, um novo destino.

Você já estudou, já se preparou, fez o seu melhor e agora está de frente com uma parte importante do processo, o momento que alguém pode decidir uma nova fase da sua vida, ou a repetição de uma fase de sua vida (casos de reprovação de provas e exames).

Assim sendo, aqui vão os passos que entendo que devem ser seguidos:

1º: Preparação plena

Bert Hellinger, o criador das Constelações Familiares, também concebeu as ordens do sucesso.

Ou seja, quais são as leis para termos sucesso, satisfação em nossas ações.

Uma dessas ordens é a da dedicação.

Apenas aqueles que se dedicam 100% a uma atividade terão pleno sucesso ao realizá-la.

Sempre lembrando que sucesso é a sensação de satisfação e felicidade que temos ao realizar uma determinada atividade, profissão e essa ordem do sucesso, a da dedicação plena, é o ponto de partida para entregarmos nosso melhor na hora “H” sem dar branco, pane, a tela azul do Windows em nossa cabeça.

2º: Não peça conselho ou ajuda para ninguém

Geralmente ficamos nervosos e acabamos comentando tal sentimento e quando comentamos as pessoas entendem que estamos pedindo ajuda ou conselho.

E, quase que 100% das vezes, todos darão o conselho dois minutos antes do momento de demonstrar todo o seu potencial, para você “FICAR CALMO”.

E, para mim, esse é o começo do “deu branco”.

Quando estamos nervosos, a benção de toda sua preparação e tal momento decisivo é percebida por todo seu sistema colocando-o em estado de alerta, de maior fluxo sanguíneo.

Como momentos decisivos não são tão frequentes, chamamos esse momento de nervosismo.

Imagine que seu corpo está em um estado de alerta para preparação, seu corpo está em uma frequência mais elevada e aí escutamos: “é melhor relaxar”.

Aí começamos uma guerra interna para diminuir a frequência até então perfeita para termos a performance de nossas vidas.

O que estou comentando aqui é que a dica é escolhermos nossas palavras e respeitarmos nosso sistema.

Ao invés de tentarmos sair desse estado de alerta e buscarmos um estado de calmaria, sonolência que pode nos prejudicar na hora “H”, que tal assumir uma palavra, um estado de frequência próximo ao que até então chamávamos de nervosismo?

A dica é: Não escute conselhos de ninguém nessa hora tão importante da sua vida falando para ficar calmo(a).

Em vez disso, busque uma frequência mais amigável.

Em vez de dizer “nervosismo”, que tal dizer que você está super empolgado, entusiasmado, excitado, pegando fogo em seu pico máximo de performance e permitir que essa sensação flua e esteja presente em todo seu corpo.

Essa é a dica principal deste texto, não rejeite essa sensação e não tente buscar um estado de calmaria.

Integre essa sensação positivamente ao escolher palavras que remetem a uma performance que irá expressar toda sua preparação.

No final das contas, se você vai pular de paraquedas não adianta querer ficar calmo, você precisa estar com toda a adrenalina possível para aproveitar ainda mais.

3º: Respire

A respiração aqui não é para ficarmos calmos como comentei detalhadamente na dica interior, é para garantirmos o fluxo de oxigênio em nosso corpo.

Eu trato essa respiração como parte de um ritual antes de um momento importante.

Respire profundamente expandindo sua percepção, sinta seus pés no chão, seu quadril na cadeira, saindo assim, da sua cabeça.

A cabeça que pode trazer pensamentos que tirarão você do seu centro.

Respire sem intenção e sinta seu corpo como parte de um ritual.

Uma variação a essa dica é respirarmos e termos um amuleto, uma oração, um mantra, uma frase de poder.

Um ritual ou um amuleto podem sim trazer mais fluidez a suas sensações e, como disse anteriormente, fazer com que você saia um pouco de sua cabeça.

4º: Honrar aos pais

Esse ritual é tão especial que merece ter um “passo” dedicado a ele.

Honrar aos pais, agradecer-lhes pela vida, pela oportunidade de ter se preparado, por ter tido a força para se manter focado na preparação e por ter essa oportunidade de sair da zona de conforto e ser desafiado a ir além.

Graças aos seus pais você tem tudo para assumir desafios, testes, provas, exames.

Você honra a vida que recebeu deles, pois você está se colocando em movimento e assumindo seu papel.

Como é bom lembrar em momentos assim: “papai, mamãe, sem vocês nada seria possível. Gratidão”.

5º: Faça seu melhor

Conhece o Dave Grohl?

Lendário baterista do Nirvana e vocalista do Foo Fighters.

Sabe o que Dave Grohl disse em uma entrevista sobre o Nirvana?

Ele disse que eles mal tinham dinheiro para comer e que nunca sabiam se teriam um próximo show.

Então ele aprendeu a, toda vez que subisse no palco, tocar como se fosse o último show da sua vida.

Ele iria não apenas fazer seu melhor, ele iria deixar uma marca de como teria sido o último show de sua carreira.

E sabe outra coisa que ele disse nessa entrevista?

Ele disse que antes de mudar para Seattle onde ele iria começar a tocar para o Nirvana, ele ligou para sua mamãe e ela disse:

“Existem momentos que precisamos apenas fazer o que é o melhor para nós”.

Aí ele foi fazer o que era melhor para ele sem se preocupar com o que os outros iriam pensar, e esta semana, quase 29 anos depois de Dave Grohl ter ligado para sua mamãe, ele passou pelo Brasil tocando como se fosse a última vez.

Eu espero que você esteja com muita adrenalina para fazer seu melhor no seu próximo desafio.

Caso tenha alguma dica de algum ritual que você faça, deixe aqui nos comentários.

Eu também gravei um vídeo falando sobre esse tema, que você pode assistir aqui: