Outro dia eu estava aqui no meu laptop e recebi um e-mail de uma pessoa.

Essa pessoa, estava com dúvidas sobre qual caminho profissional seguir, o que fazer da vida, etc.

Ela dizia que já fizera duas escolhas profissionais e que nenhuma das duas trouxera sentido para a vida dela e que ao se aproximar dos 28 anos, estava se sentindo velha e com medo de tomar outra decisão.

Enviei um breve e-mail para essa pessoa falando para ela dar uma olhada na página do Henkan e ver se ela entendia que poderia ser um caminho para ela seguir, e enquanto aguardo a resposta eu resolvi escrever esse texto.

A verdade é que sempre me senti fora da minha idade.

Desde que me conheço por gente eu não estou feliz com minha idade.

Essa sensação faz parte de minha vida.

Ela sempre vem à tona e começou, pelo que me lembro, quando eu tinha 12 anos e queria ir à domingueira do Aramaçan.

O Aramaçan é um clube com um salão de festas que no final dos anos 1980 era onde muitos jovens a partir de 14 anos se encontravam aos domingos à noite para dançar Depeche Mode, New Order, Eurythimics, entre outros.

Eu, desejava muito ter 14 anos para poder entrar.

O controle rígido de idade me barrou na porta uma vez, mas como eu era muito alto para minha idade resolvi tentar de novo, e em momentos de muita fila e pouca verificação da data de nascimento eu consegui passar.

Passei algumas vezes e fui barrado outras e eu sempre ficava querendo ficar mais velho.

Aos 14 anos eu já não gostava mais de música eletrônica por ter sido alvo de muita “zoação”, hoje conhecida como bullying, pelo meu estilo de dança.

Foi aí que encontrei o FRONT 575, também em Santo André, para escutar The Cure, The Sisters of Mercy, Bauhaus, The Cult, entre outros.

Nesse momento, o desejo era ter 16 anos.

O FRONT 575 acontecia aos sábados e a idade mínima era 16 anos.

Como já havia encontrado a estratégia, esperei a fila ficar grande também no Front e em alguns momentos de destreza conseguia entrar.

Como comecei a sair, comecei breves relacionamentos e precisava esperar o ônibus voltar a circular, o desejo era ter 18 anos para comprar um carro.

A questão é, sempre foi assim.

Essa sensação de insuficiência sempre aparece em nossa vida e parece que quanto mais o tempo passa, mais temos dificuldade em apenas viver e ser feliz.

A sensação de falta nos persegue e como aprendemos a ser cruéis conosco mesmos, procuramos e encontramos o motivo dessa falta, de forma muito rápida, pensando em nossa idade.

Não importa qual falta eu sinta, qual momento desafiador ou decepção aconteça comigo, mais cedo ou mais tarde eu chego na questão: e se…?

E se eu tivesse pensado isso antes?

E se eu fosse mais novo?

E se eu fosse mais velho?

E se eu ganhasse na mega sena?

E se…?

E se…?

Essa é a força que Eckhart Tolle compartilha sobre o Poder do Agora.

Ao abrir mão de toda e qualquer comparação do que o momento atual pode ou poderia ser existe paz e muita força na paz.

O momento presente é tão potencializador, pois é o único momento da ação, então a chave pode ser algo que Bert Hellinger contou ao telefone para um dos seus amigos docentes da Hellinger Schulle: Joel Weser.

Joel, nosso professor, contava para Bert Hellinger que estava com muita dificuldade em estabelecer uma rotina para escrever um livro, ele dizia que sempre lhe faltava motivação e quando a encontrava, faltavam ideias.

Bert Hellinger, com mais de 90 livros publicados em mais de 30 países, disse que também sentia muito essa dificuldade e que depois que fez 65 anos percebeu que sempre encontrava a motivação e a criatividade aparecia e perguntou:

Quantos anos você tem, Joel?

Quando Joel respondeu que tinha 50 anos Bert Hellinger finalizou a ligação: Ah, você ainda está novo, tem muito tempo para começar.

O que você acha que Bert quis dizer ao Joel?

Como Bert sempre diz coisas que estão ligadas a outras dimensões de consciência não estava se referindo à idade, à leitura, a motivações, ao autoconhecimento, à experiência, etc.

A meu ver e após refletir, e muito, sobre essa história, Bert Hellinger fez uma constelação com Joel ao telefone para que ele pudesse apenas relaxar e viver o momento presente sem cobrança.

A vida acontece quando abrimos mão. A vida acontece quando paramos de nos cobrar das coisas.

A vida acontece quando apenas relaxamos.

Que tal você apenas respirar nesse momento?

Que tal você apenas respirar profundamente e relaxar nesse momento e perceber que não existe nada de errado com você?

Que tal você apenas relaxar e parar de se culpar?

Estar vivo e ser feliz não está relacionado a alguma atividade.

Está relacionado a como você se sente ao realizar essa atividade.

E Bert Hellinger sempre nos ilumina com suas frases:

Vou contar uma história. Alguém estava viajando de trem num vagão-leito. Estava no leito debaixo e, em cima, havia alguém que ficava dizendo: “Estou com tanta fome, estou com tanta fome”. O passageiro debaixo foi até o vagão restaurante e lhe trouxe algo para comer. Passado algum tempo, o passageiro de cima, começou novamente: “Eu estava com tanta fome, eu estava com tanta fome”. – Bert Hellinger

Sem essa compreensão não importa o curso, constelação, terapia, método que você faça, seu caminho, sua carreira, sua vida pode se transformar quando você relaxar e permitir ser quem você é sem comparações.

Se você quer saber mais sobre como transformar sua vida a partir da compreensão de quem você é, pode me mandar um e-mail que sempre vou responder. Tenho até os 65 anos para fazer o que quiser.