Eu Já Perdoei Você

Em um dos textos passados eu falei sobre o fato de que ao julgarmos algo como errado, especialmente sobre aqueles ou aquilo que aconteceu antes de nós, nos torna arrogantes, pois tentamos ser maiores e saber mais sobre a questão do que “o outro” que a está vivenciando.

Caso queira conferir mais detalhadamente porque é apenas perda de energia dizermos que temos dó da Terra, segue link de tal texto:

Artigo – Não Tenho Pena Do Planeta Terra

Como você pode ter visto, eu terminei o texto falando que só existe gratidão com aceitação e resolvi seguir com o texto desta semana para detalhar melhor essa minha ficha.

E, como sempre digo: “fichaskaen”.

Eu sou grato a algo, pois aceito.

Pense nisso, você seria extremamente grato se recebesse um carro zero de presente do jeitinho que você sempre quis, pois você aceita o presente exatamente como é.

Quando entramos nesse caminho da espiritualidade e buscamos nos conectar com a força da gratidão começamos a agradecer por todas as coisas, e o movimento que segue tais envios de gratidão ao Universo começa cada dia a ficar mais relacionado a tudo aquilo que aceitamos sem valorizar.

Eu aceito o café da manhã que tomo todas as manhãs de forma tão automática que nem me lembro de agradecer.

Eu percebo que temos muitas coisas que aceitamos, usamos e não percebemos, ou melhor, não valorizamos.

E perceber o quanto existem coisas que, sem notar, simplesmente aceitamos, nos conecta com a gratidão.

É como se existissem vários elementos imperceptíveis que aceitamos e usamos, e ao colocarmos nossa atenção agradecendo, nos lembramos de como é bom ter essas coisas próximas a nós.

Colocamos nossa atenção e nossa intenção a serviço de uma vibração maior.

Explico isso e venho dizendo a meus amigos e queridas pessoas que acreditam nas Constelações Familiares e comparecem onde elas acontecem quando eu organizo, que não existe gratidão sem aceitação e, tão pouco, perdão sem aceitação.

Ao ouvir frases do tipo: Meu pai fez muitas coisas horríveis para mim, mas agora eu o perdoei.

Se essas coisas que fazem parte de você são chamadas de horríveis como pode existir aceitação?

Se você chama de horríveis, ou de qualquer outra coisa, e sente necessidade de falar o quão foi pesado, desculpe-me a franqueza, você é uma vítima.

E as vítimas, como diria Bert Hellinger:

Não têm jeito.

Perceba que ao dizer que algo foi horrível, você se coloca superior ao seu “algoz” e julga as ações dele como horríveis.

Faz-se de vítima e conta sua versão dos fatos.

Dificilmente encontramos duas pessoas que dizem que uma delas foi errada, que uma delas não teve seus motivos e que muito menos existia um aspecto positivo em sua intenção ao fazer determinada coisa.

Toda vez que minha mãe brigou comigo ela estava certa em brigar comigo.

Ela queria meu bem e fez da maneira que ela soube expressar sua intenção positiva em me lembrar de estudar.

Ao aceitar plenamente, eu sou grato plenamente, pois entendo a intenção e efeitos positivos em minha vida e a única maneira de comentar sobre minha história seria o quanto hoje eu sou grato por tudo como foi.

Tudo é como foi.

Ao sentir aceitação, nossa atenção vibra positivamente e nos libertamos de alguns padrões.

Tudo que eu rejeito eu me aprisiono, tudo que eu aceito eu me liberto. – Bert Hellinger

Aos estarmos livres não precisamos mais nem comentar sobre o assunto.

Já aceitamos, já nos libertamos e vibramos positivamente aceitando e agradecendo cada minuto.

Eu também comento que, para mim, Deus e o Universo, ou qualquer coisa que você acredite como sendo a fonte de amor em sua vida, não entende palavras, mas sim vibrações.

Assim sendo, a vibração das palavras aceitação, perdão e gratidão “deveriam” ser as mesmas.

Ou melhor, Deus só conseguirá entender quando você diz perdão quando estiver na mesma frequência de quando você diz gratidão.

Quer perdoar?

Aceite como o melhor que poderia ter acontecido, e Deus e a pessoa envolvida irão finalmente entender que vocês estão livres, e como meu papai e mamãe diriam: “Prontos pra próxima”.

E da próxima vez que você estiver contando sobre a sua vida, talvez seja mais interessante contar sobre seus projetos, mas tome cuidado para quem você conta.

Podemos contar a todos nossos sonhos?

Esse é o texto da próxima semana.