Eu Sou Carente

Outro dia mandei uma mensagem para uma amiga dizendo apenas:

Eu te amo.

A resposta, que no momento me causou um certo choque, agora é entendida como presente, pois tive algumas conclusões para escrever esse texto.

Minha amiga disse:

Você pode me falar isso quantas vezes quiser, pois eu sou carente.

O choque se manteve por algum tempo até eu assistir a um vídeo de um conterrâneo e antigo amigo que há muito tempo não vejo, Gustavo Gitti.

Eu estava vendo um vídeo dele e tive uma ficha, a meu ver, importante para a resposta da minha amiga.

Antes de mais nada, como sempre faço, eu pesquiso a etimologia das palavras que me causam peso.

Minha amiga disse uma palavra que também rodeia meus dias e em especial quando não estou namorando.

Assim, fui pesquisar a etimologia da palavra carente.

Deixo aqui essa dica, toda vez que uma palavra lhe causar dor, procure a etimologia, não procure no dicionário, pois os dicionários já estão carregados de crenças que nos causam esse peso.

Por exemplo, no dicionário a palavra talento terá o significado de agudeza de espírito, dom especial.

Ao ler isso eu tinha certeza de que não tinha talentos, mas ao pesquisar a etimologia entendi que na verdade significa moeda, ou seja, algo que ofereço sem esforço e recebo algo em troca.

Nesse vídeo Aqui que fiz com a querida Juliana Braga, explicamos mais a fundo.

Assim sendo, lá estava eu usando o Google para encontrar a etimologia da palavra carente e encontrei:

Do latim carens, entis (que tem falta de, carente), particípio presente do verbo latim carére (ter falta de alguma coisa que se deseja, estar privado de).

Com exceção da parte do particípio presente, as outras palavras fazem sentido para mim.

Eu digo que estou carente quando algo me falta.

Quando digo que sou carente eu digo, em um nível mais profundo, que eu nunca tive algo que me falta hoje.

Indo mais profundamente e espero que continue a ler, não existe possibilidade de sermos carentes, pois só sentimos falta de algo que um dia possuímos.

Ou seja, nunca somos carentes, estamos carentes por achar que hoje nos falta algo que um dia tivemos.

Errônea e comumente, usamos, eu inclusive, a expressão carência para falar de afeto apenas.

Algo que causa um grande peso.

A pessoa que diz estar carente começa a ter alguns comportamentos.

Liga e exige que liguem para ela.

Compra presentes e faz cara de “bunda” quando não dão algo em troca que ela ou ele considerem do mesmo valor, etc.

A minha ideia para escrever este texto era buscar um novo estado quando nos sentirmos assim, mas o vídeo do meu antigo amigo andreense fez cair uma ficha e, como sempre digo, sei apenas uma palavra em alemão: “FICHASKAEN”.

Ele disse que podemos passar por pessoas na rua e perguntar:

Você é feliz?

A resposta automática, provavelmente, será sim já que é “feio” ser triste.

Eu fico aqui pensando qual seria a reação se perguntássemos se a pessoa é carente.

Se ser triste é considerado feio, carente deve ser próximo a estar em depressão e será muito difícil encontrar
alguém que confesse.

Um dia farei esse teste e compartilharei o resultado no Youtube.

Mas voltando ao ponto que o Gustavo fazia:

Ele diz que caso a pessoa responda sim, podemos perguntar por que ela é feliz.

As respostas serão inúmeras, não é mesmo?

Sou feliz, pois tenho um emprego, uma casa, um carro, um cachorro, um casamento, um(a) namorado(a), uma moto, amigos, etc.

Exatamente esse é o motivo de nossa tristeza e de nossas carências, é o que ele disse no vídeo e concordo totalmente.

Sou feliz, pois tenho um emprego e perco minha felicidade quando perco o emprego.

Com a casa: perco a casa ou a vendo.

Com o carro: e aí alguém bate no carro.

Com o casamento: e minha mulher pede divórcio, e por aí vai.

Nossa falta de algo, nossa carência e nossas tristezas são criadas, pois definimos nossa plenitude em situações e “coisas” externas.

Que tal buscarmos gratidão a tudo que acontece em nossa vida: pessoas, empregos, conquistas.

E buscar a felicidade e a encontrar dentro de nós.

Sou feliz, pois estou vivo.

Sou feliz, pois recebi a vida de meus pais.

Ao estar vivo, nada nos falta.

Talvez seja por isso que os iluminados, Mooji, Prem Baba estão sempre felizes.

Eles reconheceram quem realmente são e não são tristes, pois não sentem falta de nada.

Quanto mais eu entrego a minha felicidade ao estar e menos ao ter, menos faltas eu tenho.

Se estou pleno com quem sou, sou feliz e nunca serei carente.

E você?

Por que você está feliz hoje?