Vou contar aqui uma história muito interessante sobre minha vida até o ponto que eu descobri Como não passar mais um réveillon sem beijar ninguém.

Nesse texto, você vai ler o que aprendi para poder seguir minha vida e aumentar a probabilidade de relacionamentos, Digo isso, pois eu não sabia mais o que fazer para não passar um réveillon sem beijar ninguém. O que eu aprendi, mudou minha vida e meus réveillons.

Meu papai me ensinou algo muito importante: o princípio da liberdade. Essa lição foi compartilhada enquanto eu explicava com toda a arrogância que alguém com 19 anos tem, porque acha que sabe tudo: “Liberdade é fazer o que eu quero sem me importar com o que os outros pensam.”

Meu pai apenas olhou e me fez uma pergunta que gerou raiva em mim, pois eu não sabia a resposta.

Meu papai me perguntou qual era o limite da liberdade. Enquanto a raiva tomava conta de todo meu sistema, e eu gaguejava algumas palavras sem sentido, meu pai disse: o limite é quando o que você faz impacta os outros.

Se o que você faz atrapalha o caminho de alguém então é libertinagem e não liberdade. Se você quer ouvir música na praia eu penso que tenho a liberdade de ouvir a música que eu quero com meu fone de ouvido ou até mesmo em meu celular.

Eu penso que libertinagem seria comprar uma caixa de som mega potente e ouvir a música que eu gosto. Assim sendo, no auge da minha arrogância aos 43 anos, eu penso que liberdade é ouvir o coração e fazer aquilo que faz sentido para minha vida assumindo a responsabilidade por meus atos, deixando todos livres.

Bert diz:

“O deixar é a maior ação sem ação.”

Lembrei imediatamente minha mãe quando eu voltava para casa quando alguém tivesse pegado no meu pé ou me “zoado”, tirado sarro da minha cara na escola ou na rua onde morávamos.

As sábias palavras da minha mãe eram:

“Deixa pra lá”

Na minha arrogância eu simplesmente rejeitava o que minha mãe dizia e me trancava no meu quarto.

Eu pensava que minha mãe não sabia o que eu estava sentindo.

Eu ficava me remoendo no meu quarto pensando o que aconteceria no dia seguinte.

Horas de pensamentos do tipo:

O que os outros amigos iriam dizer de mim?

O que vai acontecer se o fulano que tinha pegado no meu pé voltasse?

Nada acontecia na maioria das vezes.

Eu havia ficado me remoendo em casa, virado a cara para minha mãe e nada acontecia.

Quando eu voltava para a casa, minha mãe vinha me perguntar se eu estava bem e se o fulano havia me incomodado de novo.

Adivinha o que eu fazia?

Obviamente, eu não dava o braço a torcer.

Dizia que ela não me entedia e voltava ao meu quarto.

Lembrando disso, reconheço o quanto as palavras de que minha mãe eram sábias.

Lembrei dos Beatles.

Lembrei de “let it be”.

Minha tradução livre e pretensiosa dessa música é:

Quando eu me encontro com problemas, minha mãe Clarisse vem até mim falando palavras sábias:

Deixe estar, deixe ser.

Nossa verdadeira ação é definitivamente a não ação.

A verdadeira ação que exige uma grande força e dedicação é o deixar.

Entretanto, ao descobrir essa formula mágica eu não descobri como não passar mais um réveillon sem beijar ninguém.

Eu só sei que quando aprendi a “deixar prá lá.”

Logo, eu não me importei mais como, onde ou porque eu iria passar mais um réveillon sem beijar ninguém.

Deixar pra lá.

Vão te chamar de solteirona? De Encalhada? Quer saber como não se importar se você passar mais um réveillon sem beijar ninguém e alguém pegar no seu pé?

“Deixe te tratarem assim”

Assim, o verdadeiro sábio é aquele deixa estar e contorna as situações. Ele sabe como não se importar se passar mais um réveillon sem beijar ninguém

O sábio confia que o que é seu sempre encontra um caminho.

Sem stress, sem briga. Se passar o réveillon sem beijar ninguém, não reclame, não brigue, não questione.

O verdadeiro tolo questiona, o sábio deixa para lá.

Por exemplo, como já dizia Jesus:

“De a outra face”.

Penso que quem dá a outra face, geralmente não recebe outro tapa.

Obviamente, quem não dá a outra face, continua a briga.

Deixar pra lá.

Você pode deixar assim.

Faça uma ação da alma silenciosa e deixe.

Essa é uma expressão de amor a nós mesmos e aos outros.

Talvez compartilhar as 4 leis espirituais da índia seja interessante:

Só acontece o que precisa acontecer. (“Deixe “)

Só começa na hora certa. (“ Let it be”)

Só termina na hora certa. (“Deixa pra lá)

Quem precisa estar presente, estará presente. (“Let it be”)

Permitir é confiar que existe uma sabedoria superior por traz de tudo isso

Assim, a sabedoria que nos mostra que ao permitimos que essa força flua em nossas vidas. Logo, vamos nos apropriar de toda sua força para fazermos algo de bom com isso.

Todavia, se você não sabe o que fazer para não passar mais um réveillon sem beijar ninguém: Deixe para lá.

Em outras palavras, rejeitar essa situação vai fazer com que você rejeite tal lição. Assim, essa situação vai se repetir por muito tempo.

Com aceitação, há transformação. Com rejeição, há prisão.

Finalmente você irá plantar uma semente de uma nova possibilidade e a deixe assim simplesmente crescer.

Em conclusão, você pode perceber que quem deixa, se liberta e confia na vida.

Quer saber mais sobre o caminho do amor baseado nas constelações?