Medo de Falar em Público

medo de falar em público

Outro dia eu estava no Business Executive Coaching pelo IBC e essa formação estimula a competição entre empresas criadas entre os participantes.

Cada dinâmica realizada gera pontos para as equipes.

No final da formação a equipe com mais pontos ganha um prêmio.

Atrasos apos o almoço e não entregas das atividades levam a perda de pontos.

Uma das formas de ganhar pontos é trazer uma dinâmica inovadora breve, a ser compartilhada com todos os 90 participantes e cada participante interessado em trazer pontos adicionais à sua equipe, deveria preparar uma dinâmica de até 10 minutos.

No momento que isso foi compartilhado eu até tive uma certa vontade de falar sobre constelações, mas achei melhor não o fazer.

Algo me fez optar por não me colocar na frente do auditório de 90 pessoas e oferecer algo.

Na hora do almoço, eu fui a um shopping próximo sozinho para almoçar.

Fui tranquilo, almocei e o horário combinado para o retorno era 13:45.

Saí do shopping as 13:25 pois o shopping ficava à apenas 10 minutos do hotel onde era a formação.

De repente me perdi ao encontrar a saída do shopping.

Virei em uma rua errada e não existia retorno.

Liguei o waze e estava tudo bem.

Quando vi novamente apareceu no celular: atraso de 5 minutos.

Como consequência, cheguei as 13:49 e meu grupo perderia 2 pontos.

Quando cheguei ao meu grupo, alguns olhares gelados me cruzaram e na primeira oportunidade que tive fui até a mesa da equipe do IBC para solicitar que eu pudesse fazer uma dinâmica para tentar compensar a perda dos pontos.

Voltando a mesa lembrei de um momento em que eu estava na segunda série.

Eu deveria ter por volta de 7 a 8 anos.

Na minha escola existia um show de talentos anual e qualquer pessoa que tivesse algo para apresentar poderia fazer a inscrição.

Lembro que nesse dia eu simplesmente abri mão do dinheiro que tinha no bolso para comprar meu lanche na hora do recreio e paguei minha inscrição.

Eu gostaria de fazer algo que eu já estava há algumas semanas ensaiando em casa.

Eu iria imitar o Michael Jackson.

Eu iria fazer uma performance dançando Thriller.

Fiquei todo empolgado, a aula acabou e fui para casa.

No caminho para casa foi o único momento que fiquei sozinho e eu simplesmente me gelei, congelei, travei e comecei a chorar.

Eu cheguei em casa desesperado com a ideia de fazer um show de talentos dançando Michael Jackson e com todos me olhando.

Eu lembro de alguns flashes da minha mamãe me abraçando e que eu estava apenas chorando.

medo de falar em público

O próximo flash que me recordo é de meu pai falando que iria me ajudar a fazer uma peça de comédia. Todos da rua que eu morava também se voluntariaram a participar dessa peça.

Acho que a ideia era ao invés de fazer um show sozinho, outros estariam comigo e eu não estaria no palco sozinho.

Não sei ao certo o que aconteceu depois, mas não chegamos nem a ensaiar e tão pouco fazer a apresentação.

Ao me recordar dessa história e não dando ouvido a sensação do medo da minha lembrança, disse ao grupo que iria me remedir e iria fazer uma dinâmica de constelações.

As horas que seguiram o treinamento foram alternâncias de sensações em que eu me congelava com a hipótese de fazer a constelação e negação dessa sensação me forçando a lembrar que eu já havia conduzido a mesma dinâmica algumas vezes.

Também me recordava que de que ao facilitar uma constelação, nos disponibilizamos sem intenção a deixar fluir os movimentos que virão a tona.

Ao facilitar movimentos da constelação nos disponibilizamos a sermos guiados e a permitir que o que é necessário seja dito e movimentado.

Respirando e negando a sensação de medo toda vez que eu lembrava que eu iria a frente de todos o dia foi se desenrolando.

O que chamou muito minha atenção foi que ao acabar o dia eu fiquei completamente feliz e aliviado de não “ter“ que realizar os movimentos de constelação.

Uma grande luz de alerta acendeu e fui pra casa pensando em como meu medo de fazer uma apresentação do Michael Jackson me traz e trazia sensações de desconforto ao falar em público.

Aí, caiu uma ficha: EU TENHO MEDO DE FALAR EM PÚBLICO!!!

medo de falar em público

Meu Deus!! Como eu posso ter medo de falar em público?

Imediatamente lembrei que é muito lógico que eu tenha medo.

Se aos 7 anos eu ancorei esse medo, nada mais natural eu desenvolver uma personalidade mais divertida, pois através do humor e alegria eu consegui durante muitos anos não entrar em contato com esse medo.

Baita ficha!

FICHASKAEM e simplesmente chorei.

Chorei, fechei os olhos e lembrei do Brites com 7 anos.

Falei para ele que era OK ele se expressar e que graças a esse dia e ao medo que essa criança sentiu, eu consegui tudo em minha.

Disse a ele para ficar tranquilo que assim como naquele dia da escola, muitas pessoas também estariam à disposição para me ajudar.

Disse a ele que a constelação nos ensinou que sempre somos ajudados e auxiliados por aqueles que vieram antes.

Eu tive uma vida inteira de preparação, provações, ensinamentos de todos os mestres que passaram na minha vida, dos meu pais e dos meus antepassados.

Todos meus antepassados estariam felizes comigo e me auxiliando em cada movimento e que era seguro simplesmente eu estar na frente de pessoas e compartilhar aquilo que eu mais amo:

A força das constelações, as ordens do amor em nossas vidas e organizações.

O resultado do que aconteceu e a força do que os movimentos das constelações geraram em todos os 90 participantes é algo que só de pensar me faz marejar e confesso que não me sinto preparado o suficiente para conseguir expressar de forma escrita o que senti.

O olhar das pessoas ao terminar as dinâmicas e o carinho dos que me procuraram em seguida é algo que nunca vou saber expressar.

Toda vez que eu olho para um medo e reconheço que ele me prepara a ser o melhor que posso ser.

Eu aprendo a buscar todas ferramentas que me foram compartilhadas e simplesmente oferecer meu melhor.

E você, qual seu medo?

Deixe abaixo seu relato de alguma vez que encarou seu medo para que ele fosse integrado com um novo olhar mais amoroso.