Não Vou Mais À Igreja

igreja

Como contei lá na página no Facebook e no Canal do YouTube, estou na França por motivos profissionais.

Já gravei dois vídeos, que estão lá no Canal, para falar sobre algumas das “fichas que caíram” durante a viagem.

No último domingo fui fazer uma viagem com uma guia turística aqui em Tours.

Comprei o ticket para visitar 2 castelos e uma vinícola.

Cheguei às 9 horas no ponto de encontro, a van chegou, os outros 5 turistas chegaram e a guia saiu no sentido do primeiro castelo.

O que gostaria de compartilhar é o que a guia me disse depois de uma pergunta que eu fiz.

A resposta acabou por um momento com todo romantismo da beleza arquitetural das igrejas daqui.

A pergunta inocente foi:

Porque existem tantas igrejas aqui e porque elas são tão lindas?

A guia fez uma cara bem parecida com a de alguém que estava comendo limão e responde minha pergunta com outra pergunta:

Você quer mesmo saber?

A criança curiosa dentro de mim indicou para que a guia continuasse.

A guia, e nesse momento vou exagerar, com um coração bem gelado matou um pouco da minha inocência e explicou:

Entre os anos 990 e 1000, aproximadamente, existia uma crença muito forte de que Jesus estava voltando à Terra.

Quando Jesus voltasse, o dia do julgamento divino aconteceria.

Todos habitantes da Terra seriam julgados por suas ações e seriam separados para serem enviados para o Céu ou para o Inferno.

O ano 1000 chegou, nada aconteceu e as pessoas ficaram muito felizes.

Todos ficaram felizes.

Todos acreditaram que o início do ano 1000 era a prova e a comprovação de que todos os pecados haviam sido perdoados e muitas igrejas foram construídas como forma de demonstrar agradecimento pela vida que continuava livre de pecados.

vitral - jesus

Essa parte foi linda.

E ela continuou…

Alguns anos se passaram e o coração voltado a gratidão foi enfraquecendo e um novo grupo apareceu.

Eles pensaram que já que Deus perdoava todos os pecados, eles entenderam que poderiam fazer o que quiserem e em seguida pedir perdão.

Começou então uma guerra silenciosa na França.

Não existiam regras, se você queria a mulher de alguém você matava o marido dela, ficava com a esposa e a casa do falecido.

Como se acreditava no perdão, os novos “conquistadores” poderiam simplesmente ir às diversas igrejas que já existiam como legado do ano 1000 e pediam perdão.

Os padres e responsáveis da igreja aceitavam tais pecadores, escutavam suas confissões e adivinha o que o padre pedia para oferecer o perdão de Deus?

Isso mesmo meu amigo e minha amiga.

Uma nova igreja seria construída.

Quanto maior a igreja, mais bonita, mais alta, mais cheia de arte, bancos, maior era o pecado.

Alguns grupos eram formados, tomavam uma cidade depois de matar quem estivesse em seu caminho iam pedir perdão na Igreja. E assim, o padre, o bispo e como consequência o Papa ganhavam mais uma igreja para coletar o dízimo de seus fiéis matadores.

Ops, eu disse matadores… desculpa.

Era para ter escrito seus fiéis seguidores.

Vou escrever de novo:

…o Bispo e como consequência o Papa ganhavam mais uma igreja para coletar o dízimo de seus fiéis seguidores.

Agora entende porque eu escrevi acima que a guia matou a inocência romântica de meu coração? Mais feio o crime, mais bonita a igreja.

Isso foi bem pesado pra mim.

Eu sou católico, passei por batismo, primeira comunhão, crisma, etc.

vitral - igreja

Enquanto eu crescia, domingo era dia de ir à igreja.

Ainda lembro a primeira vez que fui me confessar e o padre pediu para eu rezar um pai nosso.

Agora entendo ainda mais porque foi “só” um pai nosso.

Em seguida a guia olhou para mim e acho que ela até se arrependeu de ter me contado.

Digo isso pois eu devo ter feito uma cara desesperadora e ela disse:

Desculpe-me.

Essa é a verdade.

Foi assim.

Nesse momento me senti em uma Constelação Familiar.

A guia usou frases de Constelação e algo profundo foi tocado em meu coração.

Bert Hellinger sempre vem a minha mente em momentos assim, e eu lembrei da frase:

Tudo está a serviço de algo.

Bert Hellinger está certo, a guia está certa, a história francesa está certa:

Foi assim.

Foi assim que foi possível, para que hoje possam existir milhares de igrejas, pontos turísticos, guias, trabalhadores, negócios e muitas vidas impactadas pela construção de igrejas lindas.

Meu emprego é em uma empresa que produz portas para trens.

Eu só tenho um emprego aqui na França hoje, porque turistas precisam de meios de transporte.

Talvez seja um pouco menos romântico para que eu possa ir a uma igreja com a inocência infantil sem conhecimento.

Mas será mais fácil ir a uma igreja com a alegria do conhecimento e a força da minha confiança de que tudo está a serviço de algo maior.

igreja - tours

Graças à força da igreja, milhares de pessoas tem algo que aquece seus corações aos domingos e alguém para buscar em momentos um pouco mais tensos, pelos quais todos passamos.

A verdade da minha guia, da minha vida, dos meus antepassados, pais, irmã…

Toda história da humanidade está a serviço de algo maior.

A serviço da nossa evolução:

“FOI ASSIM, EU ACEITO” e sigo minha vida.

Tudo é como foi.

A vida em sua forma perfeita continua.

Não vou mais à igreja…

Vou a um local que foi construído enquanto estava a serviço de algo maior.

Vou aonde meu coração pedir, quando eu quiser me perdoar e pedir perdão.

Especialmente pedir perdão por como faço julgamentos a maneira que Deus faz a vida possível.

Até Domingo.