Qual É O Seu Talento? [Por Juliana Braga]

Pense rapidamente:

Qual é o seu talento?

Às vezes apenas nos esquecemos do que nós somos feitos.

Todos temos talentos.

TODOS!

Estou aqui apenas passando pra te lembrar que talento é uma habilidade a ser desenvolvida, mas que devido ao peso literalmente histórico, traz milhares de simbologias e significados inconscientes em si.

A começar que talento era um peso, unidade de medida grega e romana para atribuir valor, uma moeda.

Há inconscientemente uma carga de enorme associação de talento a um valor produzido, no âmbito material justamente a quantidade “X” de talentos que as classes possuíam.

Todos os dias acordamos com diversos anseios, alegrias, tristezas e frustrações vindas de nossas experiências.

Se nos autoanalisarmos a partir disto, conseguimos extrair qualidades e pontos de melhoria interna.

Conseguiremos então nomear nossos talentos.

Seja pela satisfação em realizar determinadas atividades, desejo ou facilidade em executá-las.

Nossa capacidade de improviso, adaptar-se, dar colo, suporte, administrar, criar, etc.

São tidas pequenas apenas quando esquecemos que nossas ações são provindas de qualidades enormes que as tornam um talento.

Talvez você não tenha construído um avião, não trabalhe para a NASA, não tenha descoberto uma nova fórmula química ou simplesmente acredita que a exposição ao se qualificar te desqualifique.

O nome disso é ego.

O talento está no minucioso, no pequeno exercício diário, na gentileza consigo mesmo em valorizar o que há de bonito, a grandiosidade da alma está em perseverar, em fazer de novo e de novo.

Está na não desistência.

Desassocie sua busca interior ao valor da moeda atribuída ao talento.

Toda vez que não lembrar de seus talentos, feche seus olhos. Respire fundo. Volte a sua infância.

Entre em um quarto vazio, terá um grande espelho a sua direita, e a sua esquerda um baú, contendo alguns brinquedos e roupas.

Vista uma das roupas, pegue o que mais lhe chamar atenção.

Brinque.

Como se sente? Sinta! Permita-se sentir!

Guarde tudo que tirou do baú.

Se não havia dado importância anteriormente ao espelho, olhe.

Olhe novamente.

O que lhe falta agora?

Quantos medos foram necessários para sufocar suas tentativas?

Quantas pessoas ainda habitam em ti fortalecendo suas crenças limitantes?

Olhe para quem você é hoje.

O que lhe falta?

O que lhe traz paz e sorriso é com certeza agraciado por teu talento, você só havia esquecido.

Valorize o hoje, o agora.

Retorne a sua essência.

Juliana Braga