Quem Viaja, Morre Aos Poucos

Geralmente numa sessão de coaching sistêmico, e também no IKIGAI, utilizamos uma pergunta poderosa:

O que você mais gosta de fazer?

Mesmo com todo o contexto do IKIGAI e do Coaching, não é incomum ouvirmos respostas muito distantes do nosso papel no mundo, nosso propósito, nossa essência. 

Uma das respostas que mais me chama atenção, e também causa certa estranheza, pois estamos falando de atividades que somos ativos ao realizar, é a seguinte:

O que eu mais gosto de fazer é viajar.

Deixo claro que eu também gosto muito de viajarmas não está entre as atividades que eu mais gosto de fazer.

Eu gosto de falar em púbico, encontrar novas possibilidades, debater novas soluções, ver novos caminhos, dar risada, falar sobre o Bert Hellinger, fazer planejamentos, etc.

Assim como minha querida amiga porto alegrense, Débora Paz, diria:

Não é trabalho, é vida.

De qualquer maneira, essa resposta“Eu gosto de viajar”deixa-me muito intrigado e vou explicar porque.

Viajar geralmente é férias, não é mesmo?

Quando estou em férias eu não “preciso” fazer nada e aí, assim como faço com meus clientes, eu digo o que ouvi do Satyaprem um dia:

As pessoas gostam de viajar, pois enquanto estão viajando podem abrir mão desse papel que assumiram na vida que as cansa. Ao estarem viajando, não precisam fazer nenhuma representação de nada e podem simplesmente relaxar.

E com você?

Já parou para pensar por que você gosta, e também por que, viajar talvez seja o que você mais gosta de fazer?

Eu, como você sabe, não consigo viver sem ir profundo nas motivações humanas e por isso fui tomado pelas Constelações Familiares.

Nada é tão profundo para compreender quem somos. 

E, ao viajar, ao estarmos em férias, quem assume esse piloto que talvez estava no automático levantando da cama reclamando e indo dormir também reclamando e preocupado?

Assim sendo, convido você a pensar de novo nessa poderosa pergunta:

O que você mais gosta de fazer que esteja conectado a uma atividade que expressa seu verdadeiro “ser”?

Como você serve o mundo, no seu trabalho para receber algo em troca: dinheiro?

Toda vez que alguém indica uma ação, que é uma não ação, como algo que ama muito fazer, eu fico muito satisfeito, pois honra a oportunidade de ter uma pessoa em minha frente que esteja muito cansada da vida que vem levando de forma automática e que entende que o que mais a faz feliz é abrir mão de tudo e ficar em alguma praia distante, bem distante, apenas desconectada de tudo e todos. 

Entenda que viajar é muito bom.

Descansar é muito bom, até mesmo porque ao descansar desapegamos do resultado das coisas e deixamos a vida seguir seu fluxo e depois voltamos para colher os resultados.

O que talvez não seja tão bom é entender que a vida só vale a pena enquanto estamos viajando.

Tal gosto pela vida me faz entender que vivemos para pagar as viagens que no final, literalmente, das contas, é só mais uma conta assim como a que pago no shopping, loja de carro, restaurantes, etcpara anestesiar minha verdadeira dor de que eu não gosto do que faço no meu dia a dia e preciso escapar daqui rapidamente antes que eu tenha um ataque cardíaco. 

Meu intuito com esse texto é despertar o que realmente você ama fazer e que você busque uma forma de se realizar, de estar realizado em quem você é.

O IKIGAI pode ser uma possibilidade para você.

Por serem apenas 16 vagas, talvez seja interessante você tomar uma decisão agora e encontrar o que você veio fazer na terra antes que você parcele a próxima viagem no cartão de crédito.

Ou, clique no botão abaixo para realizar um processo individual. 

Coaching Sistêmico

Espero que sua vida seja bela.